sábado, 11 de setembro de 2010

Exposição: Rebecca Horn

Hoje, dia 11 de setembro de 2010, estava passando pela sala e a TV estava ligada no canal Globo News com a imagem ao lado que me chamou atenção e parei para ver sobre o que era a matéria.

E foi assim que descobri a artista plástica alemã Rebecca Horn. Parei para ver a reportagem completa e fiquei admirado com as instalações que ela trouxe para a exposição "Retrospectiva Rebelião do Silêncio", que acontece no CCBB de São Paulo (estou super curioso para saber se virá para o CCBB aqui de Brasília), até dia 03 de outubro.

Na reportagem do Globo News, mostrou os movimentos das instalações que me remeteu imediatamente ao primeiro bloco da minha pós-graduação, o bloco Movimento. A leveza das movimentações são extremamente convidativas a vê-las pessoalmente. Então, se estiver em SP, não deixe de ir. Eu farei o possível para ir um fim de semana em Sampa para ver esta exposição, já que ainda não tem notícias se a mesma virá para o CCBB DF.


No site do programa Metrópolis, da TV Cultura, tem um vídeo sobre a exposição, clique aqui.


Sobre Rebecca

Como conheci agora a artista, a seguir, segue um texto extraído do Estadão, escrito por Fábio Motta:

"Uma das pioneiras do uso da tecnologia já nos anos 1970, Rebecca Horn, nascida em 1944, já criou uma máquina que dá a possibilidade de uma pessoa ganhar asas com penas de pavão, mas também o Concerto dos Suspiros, instalação com restos de escombros, funis de ouro e música. Ergueu um piano de ponta-cabeça de onde saem o que seriam as entranhas do instrumento em Concerto para Anarquia e aprisionou simplesmente uma borboleta azul-turquesa em uma redoma de vidro. Só agora o público brasileiro tem a oportunidade de se confrontar com os "paraísos artificiais" de Rebecca Horn e sua linguagem em que os elementos estão sempre indo e vindo pelas mais diferentes criações, nesta que é sua primeira exposição no Brasil.


Rebelião em Silêncio é uma retrospectiva da tão variada produção da artista (há pouco, por exemplo, ela acabou de dirigir a ópera Elektra, de Strauss, apresentada em Wiesbaden, na Alemanha), perpassando 35 anos de trajetória. Por 13 salas expositivas do CCBB carioca estão seus filmes, instalações e objetos, apresentando suas passagens pela performance, o cinema, a escultura, a escrita, a música. A mostra é uma versão da exposição que Rebecca exibiu no ano passado no Museu de Arte Contemporânea de Tóquio, trazida pelo curador, produtor e diretor de documentários Marcello Dantas. Desde 1998 ele tinha o projeto de fazer no País uma exposição da artista que, apesar de seu porte, nunca esteve numa Bienal de São Paulo, museu ou galeria brasileira. Por enquanto, segundo o curador, que já realizou exposições de outros ‘medalhões’ como Anish Kapoor e Gary Hill, a mostra de Rebecca Horn só será apresentada no Rio. Para a abertura, a artista vai realizar na quinta-feira, às 18h30, uma espécie de palestra-performance sobre sua obra e poética, acompanhada pelo músico inglês Hayden Chisholm."
(...)

"A alemã iniciou sua carreira na década de 1970, realizando performances. "Eram uma espécie de ritual, com poucas pessoas. Eu construía esculturas de corpo e chamava meus amigos a participar", conta Rebecca. Mas em 1972, quando convidada a participar da 5.ª Documenta de Kassel (e ela era a artista mais jovem da mostra), o curador Harald Szeemann pediu que apresentasse também documentação de suas performances. Assim ela começou a filmar as ações e fez sua passagem para o cinema, tão emblemático em sua carreira, a ponto de criar e dirigir, em 1990, o longa-metragem Buster’s Bedroom, estrelado por Donald Sutherland e Geraldine Chaplin."

Obras

 

 

Vídeos



Para conhecer um pouco mais sobre a artista, acesse o site dela: http://www.rebecca-horn.de/pages/index_eng.html
Postar um comentário