segunda-feira, 11 de maio de 2009

Indo à floresta....


“I went to the woods because I wanted to live deliberately, I wanted to live deep and suck out all the marrow of life, To put to rout all that was not life and not when I had come to die Discover that I had not lived.”

Henry David Thoreau

Um dia, eu entrei na floresta e nunca mais saí. Eu entrei na floresta na busca dos meus sonhos, da minha missão. Um dia, eu descobri uma floresta de cores, formas, movimentos, linhas, desejos, imaginações, criações. A floresta era grande, maior do que eu esperava e a cada dia, eu descobria algo novo nela. Descobri que árvores poderiam voar, se eu assim desejasse; que borboletas tinham as cores que eu quisesse; que as estrelas eram mais próximas do que meus livros de ciências me contavam;

Em um desses dias, descobri que minha imaginação era cheia de "imagináveis possíveis". Que não existia barreiras, que sonhar era apenas o primeiro passo para grandes realizações.

Na floresta, onde vivo, não existe fronteiras para a criação. Na floresta, onde vivo, adoro tomar chocolate quente com minha mãe e minha irmã. Na minha floresta, Dalí toma chá com Madonna e brinca a noite de cabra-cega com Machado de Assis, Anne Rice e Fernanda Montenregro, que adora contar histórias de faz de conta para Mandela e Lennon na hora de dormir.

E mais, Greta Garbo fica brincando de amarelinha com Marylin, Chanel e Testino. E depois, todos se juntam ao redor da fogueira pra contas histórias de vampiros (é claro que Rice e Vianco contam as melhores e deixam todos assustados). Mas eu gosto mesmo, é quando Madonna e Kylie resolvem ligar o som e colocar todo mundo para dançar. E a festa não tem hora para acabar e vai até o sol raiar ao som de um bom samba, pois o trem da onze já passou e a Adriana já pegou seu violão e já começou a dedilhas as primeiras notas de Inverno e ela sabe que eu adoro esta música. E aí pronto, chegam Bethânia, Marisa, Zizi, Rufus, Ivri e Martinho e vira uma verdadeira salada mista. O riso é geral.

Minha floresta é incrível. Ah, eu não falei o nome dela, né?
Chama-se The Red. E sabe de uma coisa, um dia eu entrei nela e não vou sair nunca mais. Sair para quê, nela, eu posso tudo, nela eu crio de tudo e só minha imaginação é meu limite, e como ela não tem limites, então, minha floresta é meu infinito.

Red Kisses,

Chris (e Kylie, ela está aqui do meu lado, cantando I should be so lucky, por que será?)
I should be so lucky
Lucky lucky lucky
I should be so lucky in love


Imagem: Stock.Xchng
Postar um comentário