quinta-feira, 3 de junho de 2010

//Cursos: O que é Marketing Digital?


O que é Marketing Digital?
Em 2000, quando Madonna lançou o álbum Music, ela ficou p* da vida, pois o álbum vazou na Internet antes do lançamento oficial. Em 2005, com o lançamento do álbum American Life, aconteceu a mesma coisa e depois com todos os álbuns que vieram depois. Com o tempo, ela percebeu que não adiantaria ficar p* da vida, ainda mais que, no lançamento do Confessions on a Dancefloor, mesmo com o álbum tendo vazado na Internet dias antes do lançamento oficial, conseguiu ser o número 01 em mais de 29 países, inclusive em nosso país. Que lição tirar disso?
Primeiro, já está na hora das grandes gravadoras aprenderem que não há como voltar atrás, os fãs, ansiosos e ensandecidos, continuarão a fazer o download dos álbuns de seus ídolos e muitos, ainda assim, comprarão o CD.
Segundo, venda de CDs não é mais a fonte de renda principal de artistas, mas shows. Não é a toa que Madonna assinou contrato com uma empresa de show, deixando a Warner de lado, depois de anos.
Terceiro, internet é amiga, não inimiga. E a loira percebeu isso e hoje utiliza-se da internet para promover seus trabalhos, seus projetos pelo mundo todo. Ela entendeu que na era digital, tentar ser inimiga da internet é perigoso, muito perigoso, que o legal mesmo é entender os caminhos que ela abre todo santo dia. E aí, a mulher tratou de correr contra o tempo e lançou my space, facebook, you tube, newsletter e tudo mais.
Ela aprendeu sobre o marketing digital sem saber que esse era o nome dado a estes novos caminhos de promoção, de informação, de distribuição. E todos os dias, qualquer ser humano que faz uso da internet para promover nem que seja a festinha de aniversário, no sábado a noite, no bar dos bebuns, está fazendo marketing digital.
O Wikipédia traz a seguinte definição para marketing digital: “Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos clientes e melhorar a sua rede de relacionamentos.”
É uma definição incompleta. Primeiro, não são apenas empresas que fazem uso do marketing digital, como disse anteriormente, qualquer ser humano conectado a net. Segundo, não comercializar produtos apenas, mas serviços, dividir uma ideia, um pensamento, uma frustração, a busca pelos 15 minutos de fama.
O marketing digital ampliou a definição de marketing puramente empresarial, focado naquelas velhos conceitos de P’s, A’s e C’s.
“Marketing é o conjunto de atividades humanas que tem por objetivo facilitar e consumar relações de troca”. (Phillip Kotler)
Não apenas trocas, mas relações de compartilhamento. A era digital trouxe uma nova concepção para o marketing, o de dividir, quanto mais dividimos, mais resultados alcançamos.
Imagine a cena: sou designer e como tal crio uma arte para o meu DVD “genérico” do show Re-Invention da Madonna, não lançado oficialmente e coloco esta arte para download no meu blog. Em alguns segundos, a tal arte já tinha sido baixada 30 vezes e o acesso ao meu blog crescido em 50%. Eu compartilhei uma arte que tinha feito para meu uso pessoal e ganhei audiência no meu blog: marketing digital.
Outra cena, meu amigo Julio Skov faz vídeos incríveis e um destes vídeos, ele dedicou para mim. Assim que ele me enviou o link, eu baixei o vídeo e o coloquei no videolog, em questão de 1 minuto após a publicação do vídeo, tinha mais de 500 visitas. A caixa de e-mails do Julio lota com pedidos de vídeos: marketing digital.
Mais uma cena, como mencionei anteriormente, Confessions foi número 01 em mais de 29 países. Ele teria conseguido esta façanha se não tivesse vazado na internet antes? Eu mesmo comprei o álbum de imediato, pois baixei e adorei (Explicação: geralmente, não compro álbuns na época do lançamento, espero o preço baixar, para adquiri-lo), mas com o Confessions foi imediatamente. E assim aconteceu com muitos conhecidos que resolveram comprar logo o álbum, mesmo já tendo o seu genérico. Em outras palavras: marketing digital.
Fazer marketing não é algo exclusivo de grandes agências, qualquer um pode fazer, claro que alguns mais elaborados; outros, nem tanto. As grandes empresas, grandes agências têm remodelado seus planos de marketing para se adequar a estes novos caminhos e descobrir a melhor forma de alcançar seu público que fica ligado na internet mais do que na TV. E fazer o que um simples designer dono de uma pequena agência de design faz todo dia: conexão.
E as formas são muitas: facebook, twitter, orkut, my space, multiply, ning, robo.to, delicious, blog, site, e-mail, e-mail marketing, newsletter, flickr, you tube, videolog, rss, skype, gtalk, msn, feed e muitos, muitos mais.
Fazer marketing digital ficou mais acessível, não necessariamente mais fácil. É preciso ter cuidado para não dar um tiro no pé e acabar com a própria marca. Estar no ‘mercado’ digital e ser notado requer um certo esforço para fazer a coisa certa e adquirir a confiança das pessoas. Exatamente, PESSOAS, não consumidores ou clientes.
A era digital obrigou aos marketeiros de plantão a verem as pessoas não apenas como meros consumidores, mas seres humanos. E se seu marketing digital não estiver atento a isso, pare imediatamente e recomece. Pesquisa realizada pela consultoria TNS Research International comprova que na Internet, a confiança conta e muito. Então, marketing digital também é marketing de confiança e está aí algo que não existe entre consumidores, mas entre pessoas. Pessoas confiam em pessoas. Esta mesma pequisa comprova que “92% dos usuários pesquisam sobre produtos ou serviços em sites de e-commerce ou comparam preços lojas virtuais e 76% procuram essas informações em fóruns ou blogs. O estudo constatou também que 56% dos entrevistados escrevem em blogs, 42% lêem blogs de pessoas desconhecidas, 63% comentam experiências sobre produtos e serviços e 52% acessam essas mídias para obter informações sobre o que pretendem comprar". Em outras palavras, marketing digital não deve ser feito para consumidores, mas para pessoas.
Parece loucura, mas a internet trouxe junto com ela um processo de “humanização”. Acreditar em pessoas que nunca vimos na vida e acreditar no que ela diz. Sabe aquela história de desligar qualquer luz ou aparelho que faz uso de energia por uma hora, como você acha que esta brincadeira séria começou? Eu mesmo comecei a fazer porque acreditei no que uma pessoa do outro lado do mundo, que nem sei como é a cara, se é branco, amarelo, homem, mulher, escreveu no seu blog. Mas ele fez seu marketing digital de forma inteligente e cativante que, há quatro anos, pelo menos, 3 vezes ao ano, eu fico a base de velas, no meu apartamento e aproveito para tomar um vinho e ficar olhando a noite através da minha janela e me sinto muito bem.
É o marketing digital a serviço da consciência ambiental, do planeta.
E aí, será que consegui responder o que é marketing digital? Bem, se esperava uma definição do tipo marketing digital é a forma encontrada pelas pessoas..., bem, esqueça. Velhas definições não cabem neste novo mundo digital, marketing digital está aí, ao seu redor, todo dia chegando a você pelo seu celular, na sua caixa de e-mails, nos sites.
Aliás, acabei de receber um e-mail de um amigo querido, recomendando-me ler um livro que ele acabou de ler e que achou muito bom e que tem certeza que eu gostarei bastante. O que ele acabou de fazer? Isto mesmo, marketing digital para um autor que nem sabe quem é o meu amigo. Qual o livro? A Cabana, que inclusive já li e realmente é muito bom, duas horas de uma leitura muito agradável, com uma leitura dinâmica e cativante. (Ops! Olha eu fazendo marketing digital aqui na nossa rede de alunos de Marketing Digital da ESPM de Brasília).
Mas é exatamente esta a cara do marketing digital, a cara das pessoas, de zilhões de pessoas conectadas no mundo inteiro, que compartilham informações, que conquistam a confiança de estranhos, que colocam a boca no trombone e se comunicam e transformam.
Textos lidos para esta missão:
Red Kisses,
Chris ("O fraco jamais perdoa: o perdão é uma das características do forte". Mahatma Gandhi)

Postar um comentário